Prelazia

Bispo responsável: Dom Erwin Krautler

Nascimento: 12/07/1939 -Koblach/ Áustria, ordenação

presbiteral: 03/07/1965 - Salzburg/ Áustria.

Sagrado bispo em 25/01/1981 - Altamira - Província

Eclesiástica Belém do Pará.

 

Endereço: Avenida João Pessoa, 1212 CEP 68371-040 - Centro, Altamira - Para - Brasil

 

Tel: 0055.0XX93.3515.1761 - Curia - 0055.0xx93.3515.2494

 

 

Características Gerais da Prelazia

A Prelazia do Xingu foi criada a 16/08/1934, pela Bula “Animarum Bonum Postulat” do Papa Pio XI, desmembrada da Arquidiocese de Belém do Pará e das então Prelazias de Santarém e Santíssima Conceição do Araguaia. Foi confiada pela Santa Sé aos cuidados da Congregação dos Missionários do Preciosíssimo Sangue de Cristo. 1º Administrador Apostólico: Dom Armando Bahlmann, OFM (1935). 2º Administrador Apostólico: Padre Clemente Geiger, CPPS (1935-1948). 1º Bispo Prelado: Dom Clemente Geiger, CPPS (1948 a 1971). 2º Bispo Prelado: Dom Eurico Krautler, CPPS (1971 a 1981).

 

Superfície: 368.086,0 KM²

População: 392.211 hab

Densidade Demográfica 1,1 hab/km² (baseado em dados do, IBGE - 2000)

 

 Mapa da Prelazia do Xingu

 

MunicípioS pertencentes: Altamira, Anapu, Bannach, Brasil Novo, Cumaru do Norte, Gurupá, Medicilândia, Ourilândia do Norte, Placas, Porto de Moz, São Félix do Xingu, Senador José Porfírio, Tucumã, Uruará, Vitória do Xingu.

 

A Prelazia do Xingu é formada por seis regiões pastorais:

Região Alto Xingu: Ourilândia do Norte, São Félix do Xingu e Tucumã;

Região Médio Xingu: Vitória e Souzel;

Região Baixo Xingu: Porto de Moz e Gurupá

Região Transamazônica Oeste: Brasil Novo, Medicilândia, Uruará e Placas;

Região Transamazônica Leste: Belo Monte e Anapu

Região de Altamira: Paróquia Sagrado Coração de Jesus, Áreas: Perpétuo Socorro e Imaculada Conceição

 

Os municípios de Cumaru do Norte e Bannach são atendidos pela Diocese de SS. Conceição do Araguaia.

 

A Prelazia possui três instâncias de decisão: Grande Assembléia do Povo de Deus no Xingu, Conselho de Pastoral e Coordenação de Pastoral.

 

 

Foto de Dom João Muniz Alves, Bispo da Prelazia do XinguAos Padres, Equipe Paroquial e povo amado do Xingu,

 

Convite

 

Estimado irmãos, Paz e Bem!

 

 

Comece fazendo o que é necessário, depois o que é possível, e de repente você estarás fazendo o impossível”. São Francisco


A Prelazia do Xingu realizou a 7ª Assembleia do Povo de Deus no ano de 2014. Já se passaram 3 anos de trabalho e ação pastoral nas mais de 786 comunidade eclesiais de base. Agora é hora de pararmos um momento para juntos em comunhão e unidade refletir sobre cada passo dessa caminhada e trabalho evangelizador.

 

É por esse motivo que venho com imensa alegria convidá-los a participarem da MINIASSEMBLEIA DA PRELAZIA DO XINGU que realizar-se-á dias 16 a 18 de novembro do corrente ano na Bethânia, iniciando às 9 h do dia 16/11/2017.

 

Esse momento ímpar porque contribui à edificação e à eficácia de nossa ação missionária junto ao povo nesse solo sagrado e, tem como objetivo:

 

Avaliar e celebrar as prioridades definidas na 7ª Assembleia com seus respectivos projetos e ações contidas no Plano de Ação Pastoral, à luz da Palavra de Deus e do objetivo da Prelazia do Xingu para  reavivar e fortalecer a nossa missão evangelizadora ”.

 

Lembro que é de fundamental importância a dedicação de todos no trabalho avaliativo que está sendo realizado nas comunidades, paróquias e organismos referente ao plano de Ação Pastoral quinquênio 2015 a 2019 e o aprofundamento da caminhada pastoral na paróquia conforme as questões contidas na carta norteadora enviada no final de maio; nas escolhas de seus 5 leigos e leigas conforme os critérios de engajamento na vida comunitária da paróquia, pastorais grupos eclesiais e que tenham mais de 16 anos; e também nos nossos pedidos nos momentos de oração, nas novenas, nos encontros, na catequese e nas celebrações pelo bom andamento desse processo avaliativo de nossa caminhada.

 

Conto com vossas orações, apoio, dedicação, disponibilidade e amor pela causa de Cristo de anunciar no dialogo, no serviço e no testemunho missionário o abençoado trabalho dedicado às nossas quatro prioridades:

 

DEFESA DA VIDA: ao assumir a defesa da vida humana em todas as suas fases e faixas etárias e do meio ambiente, contra todo tipo de devastação para futuras gerações, revitalizando a ação social evangelizadora da Igreja no Xingu.

RENOVAÇÃO DAS COMUNIDADES ECLESIAIS DE BASE: ao promover e articular um processo de formação integral, permanente, que garanta capacitação de agentes de pastoral.

 

JUVENTUDE: ao apoiar e acompanhar a juventude nas suas diversas organizações e associações eclesiais, promovendo o seu protagonismo na evangelização da juventude e na construção de uma sociedade e um mundo mais justo, fraterno e solidário.

 

FAMÍLIA: ao apoiar e ajudar as famílias a redescobrir-se e a reafirmar-se como Igreja doméstica comprometida com a educação, o acompanhamento, a catequese e a formação cristã de seus filhos introduzindo-os ao sentido pleno da vida e das escolhas responsáveis proporcionando uma convivência fraterna em família e na participação e compromisso evangelizador junto a comunidade eclesial de base.

 

Porque é na soma de nossas ações, gestos e atitudes que vamos avançando e aprimorando o que Papa Francisco nos pede: uma Igreja missionária em saída nesse solo sagrado do Xingu que peregrina pelas estradas, campos, rios e igarapés até as periferias existenciais onde se encontra nossas irmãs e nossos irmãos a margem da exclusão e do descarte. E é assim que vamos também realizando na prática nosso Plano de Ação Pastoral da Prelazia do Xingu definido e elaborado por todos nós, povo de Deus do Xingu.

 

Que o Senhor Deus os abençoe nessa caminhada de preparação e até novembro, quando juntos daremos mais um passo firme em amor a causa do Cristo Ressuscitado. Que Nossa Senhora de Nazaré, Rainha da Amazônia, nossa padroeira e São Francisco intercedam por nossas vidas e nossa missão.

Altamira, 04 de outubro de 2017

Festividade de São Francisco de Assis

 

 

Dom João Muniz Alves, OFM

Bispo da Prelazia do Xingu
 

Altamira, 22 de agosto de 2017

 

Eu sou a ressurreição e a vida. Quem crê em mim, ainda que tenha morrido, viverá” (Jo 11,25).

 

Caríssimos irmãos e irmãs, Paz e bênçãos!

 

Profundamente consternado pelo naufrágio que vitimou e levou a óbito tantos irmãos e irmãs no dia 22 de agosto, desejo apresentar aos familiares e a todo o povo do Xingu minhas mais sinceras condolências.

 

Elevemos a Deus nossas preces pelos parentes das vítimas e por todo o Povo de que chora seus falecidos neste trágico naufrágio. “A esperança cristã vence as tragédias do mundo” (Papa Francisco). Estamos unidos a todos vocês pela oração.

 

Nesta hora, anima-nos a certeza da promessa do Cristo que disse: “Quem crê em mim, ainda que tenha morrido, viverá” (Jo 11,25). Consolem a todos a fé e a esperança no Cristo, ressurreição e vida para os que nele creem. Que o Deus de misericórdia faça brilhar sobre estes irmãos e irmãs falecidos a luz divina, participando do convívio dos eleitos.

 

Unidos pela oração. Vosso irmão,

 

 

Frei João Muniz Alves, OFM

Bispo da Prelazia do Xingu


 

São Luís, 06 de setembro 2017

 

Caros Jovens participantes da 2ª Caminhada da Juventude do Xingu (CAJUX), Paz e Bem!

 

Infelizmente não poderei estar convosco nesta caminhada. Mas estou em sintonia pela oração torcendo pelo bom andamento deste evento.

 

Desde que cheguei na nossa Prelazia logo notei que a Pastoral da Juventude (PJ) é uma das mais expressivas e atuantes neste solo sagrado do Xingu. Como Pastoral vocês expressam o rosto jovem e cheio de esperança da Igreja do Xingu que tem uma história de protagonismo e luta em defesa da vida e do planeta como nossa casa comum.

 

Como vosso pastor quero parabenizá-los e expressar meu apoio e bênção a todos os participantes desta 2ª CAJUX, idealizada e realizada pela Pastoral da Juventude que neste ano 2017 acontece no Município de Senador José Porfíro (Souzel).

 

Esta caminhada quer refletir sobre a violência em nossa região, fruto da situação trágica que nosso país está vivendo. Nossa situação política atual está marcada pela incapacidade de gerir os bens públicos. A ganância da maioria dos que estão no poder faz com que “os ricos ficam cada vez mais ricos às custas do pobres cada vez mais pobres” (São João Paulo II). Esta caminhada pacífica no dia da “independência do Brasil” quer ser um grito profético de nossa juventude em favor da vida e da luta pela preservação de nossa casa comum. Um novo mundo é possível.

 

"Vocês são o presente jovem da Igreja e da humanidade... A Igreja precisa de vocês, como jovens, para manifestar ao mundo o rosto de Jesus Cristo, que se desenha na comunidade cristã. Sem o rosto jovem a igreja se apresentaria desfigurada" (Bento XVI). A Juventude deve ser imagem de Jesus Cristo que age no mundo como sal, luz e fermento na terra fértil do Xingu.

 

“Eu vos escrevi, jovens, porque sois fortes, e a palavra de Deus está em vós” (1 João 2,14). Vossa caminhada no presente nos dá esperança de um futuro melhor. Façamos de nossa vida Evangelho vivo! “Levem o Evangelho como força de Deus, para extirpar e destruir o mal e a violência; para devastar e derrubar as barreiras do egoísmo, da intolerância e do ódio; para construir um mundo novo. Jesus Cristo conta com vocês! A Igreja conta com vocês!” (Papa Francisco). O Xingu conta com vocês.

 

A todos desejo uma abençoada caminhada! Contem com minha oração e bênção.

 

Dom João Muniz Alves, OFM.

Bispo do Xingu

P - Nº. 0209/17

NOTA DA CNBB

PELA VIDA, CONTRA O ABORTO

 

“Não matarás, mediante o aborto, o fruto do seu seio”

(Didaquê, século I)

 

A Conferência Nacional dos Bispos do Brasil-CNBB, através da sua Presidência, reitera sua posição em defesa da integralidade, inviolabilidade e dignidade da vida humana, desde a sua concepção até a morte natural1. Condena, assim, todas e quaisquer iniciativas que pretendam legalizar o aborto no Brasil.

 

O direito à vida é incondicional. Deve ser respeitado e defendido, em qualquer etapa ou condição em que se encontre a pessoa humana. O direito à vida permanece, na sua totalidade, para o idoso fragilizado, para o doente em fase terminal, para a pessoa com deficiência, para a criança que acaba de nascer e também para aquela que ainda não nasceu. Na realidade, desde quando o óvulo é fecundado, encontra-se inaugurada uma nova vida, que não é nem a do pai, nem a da mãe, mas a de um novo ser humano. Contém em si a singularidade e o dinamismo da pessoa humana: um ser que recebe a tarefa de vir-a-ser. Ele não viria jamais a tornar-se humano, se não o fosse desde início2. Esta verdade é de caráter antropológico, ético e científico. Não se restringe à argumentação de cunho teológico ou religioso.

 

A defesa incondicional da vida, fundamentada na razão e na natureza da pessoa humana, encontra o seu sentido mais profundo e a sua comprovação à luz da fé. A tradição judaico-cristã defende incondicionalmente a vida humana. A sapiência3 e o arcabouço moral4 do Povo Eleito, com relação à vida, encontram sua plenitude em Jesus Cristo5. As primeiras comunidades cristãs e a Tradição da Igreja consolidaram esses valores6. O Concílio Vaticano II assim sintetiza a postura cristã, transmitida pela Igreja, ao longo dos séculos, e proclamada ao nosso tempo: “A vida deve ser defendida com extremos cuidados, desde a concepção: o aborto e o infanticídio são crimes abomináveis”7.

 

O respeito à vida e à dignidade das mulheres deve ser promovido, para superar a violência e a discriminação por elas sofridas. A Igreja quer acolher com misericórdia e prestar assistência pastoral às mulheres que sofreram a triste experiência do aborto. O aborto jamais pode ser considerado um direito da mulher ou do homem, sobre a vida do nascituro. A ninguém pode ser dado o direito de eliminar outra pessoa. A sociedade é devedora da mulher, particularmente quando ela exerce a maternidade. O Papa Francisco afirma que “as mães são o antídoto mais forte para a propagação do individualismo

 

1 Cf. CONSTITUIÇÃO FEDERAL, art. 1°, III; 3°, IV e 5°, caput.

2 CONGREGAÇÃO PARA A DOUTRINA DA FÉ, Declaração sobre o aborto provocado, in AAS 66 (1974) 730-747, 12.

3 Sb 1,13: “Deus não fez a morte, nem se alegra com a perdição dos vivos”.

4 Ex 20,13: “Não cometerás homicídio”.

5 Jo 10,10: “Eu vim para que tenham a vida, e a tenham em abundância”.

6 TERTULLIANO, Apologeticum, IX, 8: “É um homicídio antecipado impedir alguém de nascer... É já um homem aquele que o virá a ser”.

7 VATICANO II, Gaudium et spes, n. 51.