N. S. Perpétuo Socorro

06 de Julho 2014

1ª Leitura: Zc 9, 9-10

2ª Leitura: Rm 8, 9.11-13

Evangelho: Mt 11, 25-30

 

As leituras deste dia falam da ação divina. Deus se revela a aqueles que procuram vencer as próprias ansiedades. A ansiedade nos fecha e nos faz incapaz de encontrar e compreender o projeto de Deus. O convite de Jesus a assumir o jugo dele é convite de cuidar do próximo e viver com mansidão e simplicidade e de nos igualar ao estilo de vida que ele nos mostrou.

05 de Julho 2014

Leitura: Am 9, 11-15

Evangelho: Mt 9, 14-17


 

O profeta Amos insiste na prática de justiça e ele anuncia que Deus mesmo vai agir. Justiça significa dá a cada um do que precisa. Deus vai mudar a sorte de seu povo e iniciar um novo tempo de paz e bem-estar. Em Jesus Cristo se realiza esta promessa. A vida se torna uma festa de paz. Muitas vezes somos nós que temos dificuldades com estas mudanças que Jesus nos desafia. Temos que abrir mão do nosso costume de “nos merecer” graças apenas cumprindo nossas obrigações religiosas e temos que nos abrir para um estilo de vida diferente atento para a necessidade do nosso próximo. Este será “o vinho novo em odres novos”. Somos chamados a uma cultura do cuidado para com o outro.

04 de Julho 2014

Leitura: Am 8, 4-6.9-12

Evangelho: Mt 9, 9-13

 

“Os homens vaguearão de um mar a outro mar, circulando do norte para o oriente, em busca da palavra do Senhor, mas não a encontrarão!” – O profeta Amos está descrevendo já a nossa situação hoje. A palavra da vida se encontra presa em grupos e igrejas vigiada por regras e mandamentos. Em Jesus a palavra da vida saiu para as ruas ao encontro de todo mundo. Jesus não avaliou primeiro os destinatários desta palavra. Ele chamou e assim provocou mudanças neles. Em Jesus a palavra se tornou atitude e prática. Somos assim chamados a seguir do exemplo DELE e levar a palavra da vida para as nossas ruas, para os lugares do nosso trabalho e para as nossas convivências em família ou comunidade.

03 de Julho 2014 - Apóstolo São Tomé

Leitura: Ef 2, 19-22

Evangelho: Jo 20, 24-29

 

Tomé, o homem das dúvidas! Mas, Tomé venceu suas dificuldades e chegou a fé e a profissão: “Meu Senhor e meu Deus!” – Não estamos muito longe das dúvidas deste apóstolo. Os fatos da vida de dia a dia levam nós a julgar e condenar. Temos dificuldades de perdoar porque não acreditamos que o outro possa mudar. Desistimos de projetos em favor do próximo e da comunidade porque são poucos que participam e sentimo-nos incapaz de fazer algo. O poder e o peso dos fatos se faz presente em cada momento da nossa existência. A fé significa acreditar e esperar apesar dos fatos – não uma esperança vaga, mas sim esperar que tudo tem seu significada e que Deus finalmente vai levar tudo para o bem.

02 de Julho 2014

Leitura: Am 5, 14-15.21-24

Evangelho: Mt, 8, 28-34

 

Possuído por demônios ... aqui não estão forças ou espíritos de fora em obra. Estamos possuídos por ideias ou medos ou ansiedades. Não podemos abrir mão daquilo que achamos importante para nós. Neste ponto começa a critica do profeta Amos no Antigo Testamento. Deus fica ate aborrecido conosco ... as nossas festas não são festas para alegrar a todos, mas se tornam negócios para ganhar. O nosso trabalho não é para servir o bem-estar de todos, mas para ganhar para si próprio. O profeta chama a buscar o bem. Tudo que fazemos deve servir à vida e assim promover o nosso próximo. Também Jesus nos chama a sair deste sistema de possessão para viver em liberdade e para que todos tenham vida em abundância.

 

01 de Julho 2014

Leitura: Am 3,1-8; 4,11-12

Evangelho: Mt, 8, 23-27


 

Uma antiga dica fala: “As dificuldades, medos e necessidades ensinam a rezar!” – O profeta Amos constata o contrário. Diante das injustiças e do comportamento não-ético o povo não busca a Deus, mas se junta com os injustos e malfeitores para praticar as mesmas maldades.

O trecho do evangelista Mateus é quase uma parábola em cima do texto do profeta. O mar com seus perigos e sua imprevisibilidade era no tempo antigo um símbolo do mal. Os discípulos enfrentando isto ficam com medo e se deixam dominar por aquilo que está acontecendo. Jesus desafia a fé deles. A confiança acalma e possibilita a viver de um modo pacífico. No meio de um mundo agitado e tripulado nossa fé e nossa confiança são desafiadas para não nos igualar a este mundo e nos juntar às injustiças que acontecem.

30 de Junho 2014

Leitura: Am 2, 6-10.13-16

Evangelho: Mt, 8, 18-22


 

O profeta coloca a justiça de Deus e injustiça do povo frente em frente. Os sete crimes do povo indicam a totalidade da injustiça. No outro lado está Deus cuidando e acompanhando seu povo por amor e sem interesse próprio. Ganância e negligencia causam a pobreza e marcam a vida humana até hoje. Somos chamados a mudar, a nos converter porque o Reino de Deus está próximo.

29 de Junho 2014 - Solenidade dos Apóstolos Pedro e Paulo   1ª Leitura: At 3, 1-10 (vigília); At 12, 1-11 (dia) 2ª Leitura: Gl 1, 11-20 (vigília) 2 Tm 4, 6-8.17-18 (dia) Evangelho: Jo 21, 15-19 (vigília) Mt 16, 13-19 (dia)       Mais diversidade como entre os dois apóstolos São Pedro e São Paulo não existe. Pedro, mesmo acompanhando o “caminho novo” de Jesus fica enraizado nas tradições judaicas e tem que aprender sobe dificuldades aceitar os cristãos que eram pagãos. Paulo, um fanático fundamentalista judeu, se torna pela conversão um “progressista” promovendo novas formas de vivência da fé em Cristo. – A história da Igreja mostra que ela precisa dos dois: da tradição que dá estabilidade e do novo e do progresso que deixa ela caminha e viver na realidade mutável do mundo. Temos que aprender viver a diversidade em comunhão e reciprocidade de amor – hoje como nos tempos dos dois apóstolos.
29 de Junho 2014 - Solenidade dos Apóstolos Pedro e Paulo   1ª Leitura: At 3, 1-10 (vigília); At 12, 1-11 (dia) 2ª Leitura: Gl 1, 11-20 (vigília) 2 Tm 4, 6-8.17-18 (dia) Evangelho: Jo 21, 15-19 (vigília) Mt 16, 13-19 (dia)       Mais diversidade como entre os dois apóstolos São Pedro e São Paulo não existe. Pedro, mesmo acompanhando o “caminho novo” de Jesus fica enraizado nas tradições judaicas e tem que aprender sobe dificuldades aceitar os cristãos que eram pagãos. Paulo, um fanático fundamentalista judeu, se torna pela conversão um “progressista” promovendo novas formas de vivência da fé em Cristo. – A história da Igreja mostra que ela precisa dos dois: da tradição que dá estabilidade e do novo e do progresso que deixa ela caminha e viver na realidade mutável do mundo. Temos que aprender viver a diversidade em comunhão e reciprocidade de amor – hoje como nos tempos dos dois apóstolos.

28 de Junho 2014 - Imaculado Coração de Maria

Leitura: Is 61,9-11

Evangelho: Lc 2, 41-51

 

“A descendência do meu povo será para reconhecer entre as nações!” – assim fala o profeta Isaías. Reconhecemos pessoas através de suas atitudes ou percebemos se elas tem um coração bom ou não. Maria assumiu sua vocação e vivia de coração pela causa de Deus. Que Deus nos conceda que nós sejamos também reconhecíveis no meio da sociedade de hoje pela sinceridade, serenidade e simplicidade dos nossos corações. Olhamos hoje para Maria como exemplo para as nossas vidas.

Subcategorias

Padre Miguel faz reflexões diárias a partir da leitura da Palavra de Deus.

Breve histórico:

Nome completo: Michael Rohde, Missionário do Sangue de Cristo -CPPS
Nascido na Alemanha parte ocidental, na região Norte, interior de uma vila pequena localizada no meio entre Frankfurt e Hannover.
Entrou no seminário 1985, foi ordenado diácono 1992 e trabalhou um ano e meio numa paróquia na Baviera perto da fronteira com Áustria, 50 km distante de Salzburgo onde eu estudou.

Em1993 foi sua ordenação sacerdotal. Por dois anos trabalhou como vigário numa paróquia perto do Lago de Constância na fronteira com Suíça. De 1995 a 2000 trabalhou como formador e professor no Colégio da congregação na região de sua origem (5 km distante da casa de seus pais). Era o local onde passou seu tempo escolar. Tinha que cuidar dos jovens que ficavam internados e voltavam para suas famílias só no final da semana. Em 2000 fecharam esta parte do internato do colégio e assim ficou livre para vir para o Brasil. No ano 2000 cursou de língua Portuguesa no CENFI em Brasília. 2001 e 2002 trabalhou como vigário no Perpétuo Socorro e na Catedral na cidade de Altamira. 2002 até 20012 reitor do seminário de sua Congregação em Ananindeua. Desde então, voltou a trabalhar como pároco do Perpétuo Socorro em Altamira.